Eu sou...




Sou Michelle Cavalcante Rocha moro no povoado de Quixabeira-uibaí-Bahia. Entrei na escola aos seis anos de idade no ano de 1997 para cursar a alfabetização. E quatro anos mais tarde em 2001 concluir a antiga quarta série, e passei para o ensino fundamental.

A quinta série foi um momento de mudança para mim e meus antigos colegas, pois, vínhamos de um ritmo de ensino diferente. E também, desde quando entramos na escola até a quarta série só havíamos tido uma única professora a querida pró Ana. Então romper com os laços criados durante cinco anos de convivência com a pró Ana foi muito difícil, ainda mais, que os novos e estranhos professores não tinham aquele cuidado e atenção conosco, como ela tinha. 

O que eu e meus colegas não sabíamos ao entrar na tão temida quinta série do ensino fundamental, é que um ciclo de nossas vidas estava sendo “acabado”. Já não éramos mais aquelas crianças que só pensavam em brincar, tínhamos outros anseios. Olhávamos uns aos outros não mais com os olhos de outros anos, estes agora enxergavam algo a mais...

O ensino fundamental deixou uma doce e alegre melancolia, pois, convivia nesta época com pessoas que já conhecia há anos e que criara fortes laços de amizade. Tudo, absolutamente tudo, era motivo de risos alegres, saltitantes e descontraídos. Não posso esquecer também das famosas “resenhas”, há como eram bons aqueles intervalos onde a turma se reunia aos grupos a “resenhar” sobre tudo, das coisas mais simples e banais, até assuntos mais complexos para nossa até então, pouca idade.
O término do ensino fundamental em 2005 foi muito complicado, pois, outro ciclo de minha vida estava sendo ”acabado”, e desta vez de maneira não muito sutil. Começavam a ser moldados os caminhos que cada uma daquelas pessoas, as quais eram minhas colegas desde a alfabetização iriam seguir. A separação era inevitável. Colegas por quem tinha um apego muito grande mudaram-se para outros estados, outras, revelaram ser o que eu desconhecia ou fingia desconhecer. Eu não era mais a mesma, e nem aquelas pessoas as quais adorava tanto.

O ano seguinte 2006 foi o início do ensino médio. Este ano foi totalmente desconcertante. Meus colegas e eu fomos estudar na sede de nosso município Uibaí, no Colégio Estadual Manoel Levi onde fomos colocados em salas diferentes.
Dos antigos colegas que tinha do período em que estudava no povoado, apenas uns dois ou três ficaram na mesma sala comigo durante o ensino médio. Mas por outro lado, até que foi boa a separação, pois, laços de amizade aumentaram e ficaram mais sólidos, e muitos outros foram construídos e desconstruídos.
O último ano do ensino médio começou com muita alegria e sonhos para o futuro. Conciliei os estudos normais com o cursinho pré-vestibular, muito estudo, muito estresse... Período também em que fiz poucas, fortes e sinceras amizades que estiveram e estão prontas para me ajudar e comemorar nos tropeções e ganhos os quais tive e terei durante o decorrer de minha vida.


No final de 2008 começaram os desumanos vestibulares, provas de enlouquecer, pressão, pressão, pressão... Sonhos sendo dizimados.
Se durante o percurso que vivi até 2008 já haviam acontecido muitas mudanças em minha vida, os anos 2009/2010 aconteceriam às maiores. Início de 2009 sai os resultados dos vestibulares que fiz, todos negativos, uma tristeza muito grande se abateu sobre os meus ombros, mas logo, me recuperei e comecei a traçar novas metas. Continuei estudando.  E novamente fui abatida por forte tristeza, pois, meu primo veio a falecer prematuramente e de forma bastante trágica. Mas como diria o poeta: tudo passa as maiores alegrias e tristezas também.

E como já foi dito por alguém: depois da tempestade sempre vem à calmaria. E esta demorou um pouco, mas chegou. Conseguir uma vaga no cursinho oferecido pela UNEB, e aí estava começando até o momento que vos falo uma das fases mais significativas que já atravessei. Fiz o vestibular da UNEB e UEFS.


E o ano de 2010 se inicia com o resultado dos vestibulares, e desta vez positivo. Fui aprovada na UNEB e UEFS o que proporcionou muita alegria há meus familiares, amigos e principalmente para mim. E decisões tiveram que ser tomadas, cursar economia na UEFS? ou  letras na UNEB?... (pensando)... E após muitas críticas e pressões optei por ficar onde queria e cursar o que tinha se tornado meu novo sonho LETRAS. E tudo isso aconteceu apenas no inicio do ano. Ao chegar mais ou menos no meio de 2010 mais alegrias estariam por vir, pois, houve o concurso municipal em minha cidade e eu fui aprovada para agente administrativo. E o que mim deixou mais satisfeita com esta aprovação no concurso, é a honra de meu primeiro emprego ser justamente na escola onde dei os primeiros passos desta longa jornada em busca do conhecimento.
E para terminar este texto não poderia deixar de falar do curso de letras que está sendo um desafio muito gratificante o qual estou começando a enfrentar.
“Nada do que foi será
De novo do jeito que
Já foi um dia
Tudo passa
Tudo
Sempre passara
A vida vem em ondas
Como o mar no indo e
Vindo infinito
Tudo que se ver não é
Igual o que a gente viu
A um segundo...”

A melhor e também a  pior coisa da vida, é saber que tudo passa!!!